Dr. Luiz Roberto Terzian
Dermatologista e cirurgião dermatológico
Consultório: Clínica Projeto Corpo
Rua Barão de Campos Gerais, 763
Real Parque (Morumbi)
Tel:3758-9762 / 3758-7818


 
Acne

Introdução: A acne é uma doença dos folículos pilosos muito freqüente, chegando a acometer 85% dos adolescentes, sendo que pode ocorrer em todas idades, desde o rescém nascido até o idoso. Quando intensa provoca estigmatização e alterações psicológicas importantes no seu portador, muitas vezes levando à depressão e ao isolamento social.
É causada por diversos fatores, sendo a obstrução dos folículos pilosos o primeiro passo para a sua formação. Esta obstrução provoca a formação dos comedões (cravos) que podem ser abertos (pretos) ou fechados (brancos). Este fase é classificada com acne grau 1 ou não inflamatória.


A partir daí ocorre um acúmulo de secreção, produzida pela glândula sebácea, que fica “represada” no interior do folículo. Algumas bactérias anaeróbias como o propionebacterium acnes penetram no folículo e se alimentam desta secreção. Tanto as bactérias quanto a secreção provocam inflamação peri-folicular o que dá origem às pápulas e pústulas da acne (espinhas vermelhas e com pus). Esta já é considerada acne inflamatória grau 2.


O processo piora com o aumento da inflamação, chegando a ocorrer a destruição da parede do folículo, com a saída do material do seu interior para os tecidos adjacentes. Isto provoca a formação de cistos e nódulos, sendo considerada acne grau 3 ou nódulo-cística.

Pode ainda ocorrer piora com formação de cicatrizes e fístulas, quando a acne é chamada grau 4 ou conglobata.

Os hormônios sexuais em excesso estimulam a produção da glândula sebácea, piorando a acne. Este fenômeno ocorre freqüentemente na acne da mulher adulta, muitas vezes associada ao hiperandrogenismo.
As erupções acneiformes são lesões semelhantes às de acne, e podem ser causadas por cremes cosméticos, óleos, fricção, produtos químicos e medicamentos.

O tratamento da acne visa:
- Controlar a oleosidade da pele;
- Desobstruir e/ou dificultar a obstrução dos folículos;
- Destruir as bactérias foliculares e

- Reduzir a produção e a secreção sebácea.
Para isto podemos utilizar:
> Sabonetes secativos, para reduzir a oleosidade da pele;
> Esfoliantes químicos (queratolíticos), para desobstruir os folículos;
> Antibióticos tópicos, para a destruição das bactérias;
> Peróxido de benzoíla, que tem ação antibacteriana, antiinflamatória moderada e queratolítica leve;
> Associações de antibióticos com peróxido de benzoíla ou com queratolíticos, para otimizar o tratamento;
> Antibióticos sistêmicos, por seu efeito antibacteriano e antiinflamatório;
> Retinóides sistêmicos, que reduzem a produção e a secreção sebácea, a queratinização da pele e, conseqüentemente, as bactérias.
Para o tratamento dos cistos e abscessos são necessárias drenagens e infiltrações de antibióticos e corticóides;
Para o tratamento das cicatrizes são necessários vários procedimentos como “peelings” médios e profundos, dermabrasão, preenchimentos, e pequenas cirurgias.
Como podemos notar a acne é uma doença muito prevalente, que conseguimos controlar adequadamente com o tratamento correto; sua cura, porém, não é fácil.
O tratamento deve ser feito o mais precocemente possível para diminuir o estigma e evitar a formação de cicatrizes, cuja terapêutica é bem mais difícil. Sendo assim, sugiro procurar o dermatologista nos primeiros sinais de acne, para tratamento adequado. Este tratamento vai evitar a formação de cicatrizes (que deixarão a pele marcada e terão um tratamento muito complicado) e a piora da acne, que causa muito desconforto ao seu portador.